Sobre o Dia Internacional das Mulheres, por Edilaine de Góis Tedeschi

by thiagomelego 14 de março de 2021 at 6:40 PM
Comentários desativados em Sobre o Dia Internacional das Mulheres, por Edilaine de Góis Tedeschi

O dia 8 de março foi institucionalizado mundialmente como o Dia Internacional da Mulher. Dia em que lembramos das conquistas femininas, dos direitos adquiridos e do esforço que fazemos para manter nosso lugar na sociedade.

O dia 8 de março segundo alguns historiadores foi escolhido por conta de uma manifestação de mulheres russas que se rebelaram e exigiram melhores condições de trabalho, no ano de 1917 durante a primeira Guerra Mundial.

No entanto, há quem afirme que a data foi escolhida pois por conta de um incêndio ocorrido em uma fábrica em 1911, onde 129 mulheres perderam a vida. O número elevado de vítimas se deu porque as portas eram literalmente fechadas após o início do trabalho e só eram abertas após 15 horas de serviços diários, evitando que as mulheres de lá saíssem.

O fato é que aceitamos a data comemorativa e todos os anos inúmeros eventos são realizados para lembrar a importante data em que celebramos as conquistas sociais, políticas e econômicas ao longo dos anos.

As mulheres conquistaram o direito ao voto, o direito de concorrer a cargos eletivos, o direito de ter sua independência financeira, o direito à licença maternidade, direito à remuneração igualitária, o direito de ser quem ela quiser.

Apesar de estarmos em pleno século 21 as mulheres ainda enfrentam dificuldades em exercer seus direitos ao redor do mundo, em Madagascar por exemplo as mulheres só podem trabalhar em estabelecimentos que pertençam à sua família, não podem trabalhar à noite, e não podem ter contato com livros que o governo considere imorais.

Na Rússia, as mulheres não podem ser motoristas de caminhão ou ônibus. No Irã as mulheres só podem frequentar as universidades nos cursos que o marido ou a família permitirem. Em Serra Leoa é proibido jovens grávidas frequentar a escola regular, elas frequentam uma escola só para grávidas.

Em Portugal por exemplo, não existe nenhuma Lei de Proteção para a Mulher vítima de violência doméstica. Os direitos no Brasil foram conquistados ao longo dos anos, principalmente cm as mudanças na Constituição de 1988 e com o Novo Código Civil que deixou de utilizar expressões como poder patriarcal, chefe de família e pátrio poder.

Hoje nossa Lei Civilista é clara ao dizer que a condução dos destinos da família e a criação e educação dos filhos é de responsabilidade dos cônjuges, recepcionando a igualdade de direitos prevista constitucionalmente.

Esse ano as comemorações do Dia Internacional da Mulher ficará restrita às mensagens de apoio, afeto e carinho por conta da pandemia. Nesse momento tão difícil, lembrar que a mulher tem garra, força e determinação é essencial para manter a família unida afinal somos o esteio da sociedade democrática e justa.

Nossas conquistas ao longo dos anos são fundamentais para que possamos lutar pelos nossos objetivos e pelo direito de ser feliz. Feliz Dia Internacional das Mulheres.